Jesus ensinou como orar

Mateus 6

9 Portanto, orai vós deste modo: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome;

10 venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu;

11 o pão nosso de cada dia nos dá hoje;

12 e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores;

13 e não nos deixes entrar em tentação; mas livra-nos do mal. [Porque teu é o reino e o poder, e a glória, para sempre, Amém.]

Jesus deixa claro que as orações não podem vir de vãs repetições, mas sim de uma conscientização sobre o que está se falando com Deus.

Mateus 6

7 E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque pensam que pelo seu muito falar serão ouvidos.

Logo a oração do Pai Nosso não é para ser decorada e orada, mas sim ela é um modelo para seguirmos, ou seja, o que deve conter em nossas orações. A oração não pode ser mecânica, mas sim ter uma profunda interação de nossas emoções.

A oração também é algo íntimo entre o orador e o seu Criador, não necessitando se preocupar com falas elaboradas, devemos ter intimidade com Deus, Ele deve ser o nosso amigo, logo, não se fala com pompa e cordialidade com um amigo, porém, sempre devemos ser respeitosos.

Mateus 6

6 Mas tu, quando orares, entra no teu quarto e, fechando a porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.

Quando Jesus ensinou o modelo de oração Ele ainda se encontrava na terra, porém Ele nos afirmou que todas as nossas petições devem vir acompanhadas em seu nome.

João 16

24 Até agora nada pedistes em meu nome; pedi, e recebereis, para que o vosso gozo seja completo.24 Até agora nada pedistes em meu nome; pedi, e recebereis, para que o vosso gozo seja completo.

Vamos ao modelo para vermos o que deve conter em nossas orações? Além de obviamente, os nossos pedidos particulares.

Mateus 6

9 Portanto, orai vós deste modo: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome;

(Devemos sempre reconhecer que o Senhor é Santo, que Ele está nos céus, portanto, mais elevado que nós e que o seu nome tem de ser santificado por nós. Será que temos santificado ao nosso Criador? Ou temos o desonrado com nossas atitudes?)

10 venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu;

(Pedir que venha o reino de Deus é aceitar as suas regras de conduta, disciplina que se encontram na Bíblia, ou seja, aceitar as suas Leis, todo governo ou reino tem Leis estabelecidas, onde os seus súditos tem de seguir; e ainda completa dizendo que a vontade do Criador tem de ser estabelecida na terra e no céu, ou seja, toda a criação tem de fazer a vontade do Criador, não a sua própria. Será que temos feito isto? Ou temos seguido nossas próprias regras de conduta de vida?)

11 o pão nosso de cada dia nos dá hoje;

(Aqui é uma forma de reconhecimento de que Deus supre as nossas necessidades, isto é, a certeza de que Ele fornecerá o sustento de hoje, vejamos que não está dizendo da semana e nem do mês, pois as Escrituras nos ensinam a não nos preocuparmos com o dia de amanhã, basta viver cada dia e agradecermos pelo dia presente)

12 e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores;

(Isto é padrão, pedimos para sermos perdoados em nossas falhas, pecados, mas devemos ter em mente que somente seremos perdoados se perdoarmos, se retivermos o perdão, nosso Criador também reterá o perdão para conosco; pois todos (juntamente) pecaram e destituídos estão da glória de Deus, logo, ninguém está acima de ninguém, todos somos criação de um mesmo Criador)

13 e não nos deixes entrar em tentação; mas livra-nos do mal. [Porque teu é o reino e o poder, e a glória, para sempre, Amém.]

(Não nos deixar cair em tentação, a tentação vem de nossos próprios desejos egoístas, a tentação é humana, pedir para não nos deixar cair em tentação é, basicamente, pedir que o Espírito Santo vença a nossa carne para que não venhamos a pecar – e completa o modelo com o reconhecimento de quem é o Dono de tudo, de quem é a glória, o domínio e o poder – e termina com o “Amém”, quer dizer uma concordância ao que foi exposto, “assim seja”)

Nossas orações tem de conter estas requisitos básicos, além de nossas próprias petições, bem como petições em favor de outros e nossos agradecimentos, e tudo realizado no nome daquele que veio e venceu, Jesus Cristo.

Mas, mesmo sabendo o modelo devemos ter a consciência de que o homem não sabe como orar, como se dirigir ao Pai, isto é obra do Espírito Santo que, habitando em nós e nos conhecendo, ora por nós, colocando em nossas bocas o que deve ser falado.

Romanos 8

26 Do mesmo modo também o Espírito nos ajuda na fraqueza; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inexprimíveis.

27 E aquele que esquadrinha os corações sabe qual é a intenção do Espírito: que ele, segundo a vontade de Deus, intercede pelos santos.

O Espírito pede o que necessitamos e não ultrapassa a vontade de Deus, é Ele que governa a nossa mente, coração e boca nos momentos de orações.

Shalom

Publicado por ministeriorg

Uma mulher que só encontra sentido na vida em realizar trabalhos para o Senhor, este Blog é um destes trabalhos, pois ainda tenho muitos outros trabalhos, todos destinados a adorar e a exaltar a Deus pelas suas maravilhas

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: